O nascimento do Príncipe Guerreiro e suas conquistas – por Juliano.

Hoje o post é muito especial!

Semana passada eu republiquei o post do Relato de Parto da Isabela que havia sido retirado do ar há uns meses atrás. (Para conhecer a história dela você pode ler o relato de parto aqui)

Hoje mostraremos a visão do marido da Isabela e pai do Príncipe Guerreiro que viveu junto com ela todo o sofrimento dessa experiência traumática.

Um relato emocionante de amor, superação, esperança e fé!

11853971_1037905742900003_1562501419_n
Fonte da Imagem: Blog Visão de Ilitia (Divulgação autorizada pela família)

“Diante do fato de (eu e minha esposa) não sermos profissionais da área de saúde, pensávamos que a contratação de equipe de profissionais especializados em parto pélvico domiciliar assistido seria a melhor alternativa frente a diversos relatos negativos de mães e pais que sofreram intervenções médico-hospitalares na nossa cidade.  A relação de confiança entre obstetra-mãe-pai foi construída por meio das consultas mensais de Pré-Natal, e a doula-mãe-pai por meio dos encontros quinzenais de educação perinatal.

Lembro com clareza do momento em que entrei em choque psicológico ao perceber que meu filho estava nascendo e que não havia nenhuma profissional contratada na minha residência. O que se sucedeu foram cenas de pânico das quais nunca esquecerei e após a internação hospitalar do bebe, minha esposa e eu retornamos para casa aos prantos e angustiados.

No primeiros 43 (quarenta e três) dias de vida do meu filho, e sob influência do choque psicológico, descobri o que é ser pai de UTI:

  1. É psicologicamente negar o que aconteceu e/ou está acontecendo, bem como é pensar que em poucas horas o seu filho irá para casa bem… sem saber quando;
  2. É lidar com a debilitação física e emocional da mãe pós parto e com a luta pela recuperação da saúde do seu filho na UTI Neonatal;
  3. É tocá-lo dentro da incubadora apenas com as mãos, e cantar para ele com fé de que tudo irá melhorar em breve;
  4. É descobrir que algumas Redes Hospitalares possuem UTI Neonatal Humanizada, com regras que permitem acesso dos pais 24 horas por dia ao leito de internação, bem como possuem corpo técnico humanizado (técnicas de enfermagem, enfermeiras, fisioterapeutas, fonoaudiólogas, psicólogos, médicos neonatologistas, outros);
  5. É não entender inicialmente os termos técnicos dos médicos neonatologistas sobre o quadro de saúde do seu filho dia após dia;
  6. É conhecer e ser acolhido por outros pais e mãe “veteranos” e “novatos” de UTI;
  7. É chorar de alegria e se emocionar ao colocar o seu filho no colo após algumas semanas na incubadora;
  8. É ir dormir muito tarde e acordar muito cedo angustiado com a possibilidade de o quadro de saúde do seu filho ter piorado;
  9. É chorar de alegria por cada vitória e milagre alcançado na caminhada de recuperação da saúde do seu filho;
  10. É resgatar e fortalecer a fé na existência de um Ser Superior e agradecer por cada milagre conquistado;
  11. É ficar ansioso pelo dia da alta;
  12. É chorar de alegria ao sair do Hospital com o filho nos braços.

E há 3 (três) dias do meu primeiro “Dia dos Pais”, recebi o presente da alta hospitalar e pude vivenciar o aconchego do lar ao lado do meu filho e esposa. Nos dias e semanas seguintes foram igualmente de superação, nas quais senti e vivenciei:

  1. Cansaço físico e mental em decorrência dos dias anteriores;
  2. Felicidade por estar com o meu filho em casa;
  3. Depressão moderada (tristeza profunda, pesadelos, insônias, entre outros) que levou a um afastamento de 53 dias das atividades laborais;
  4. Ansiedade e medo quanto ao futuro do bebe – limitações físicas e intelectuais;
  5. Gastos financeiros para tratamento da depressão com psicólogo especializado em traumas, bem como acompanhamento de neuropediatra e tratamentos do bebe com fisioterapias;
  6. Decepção pelo distanciamento de muitos “amigos”;
  7. Felicidade pela proximidade de alguns “amigos de verdade”;
  8. Busca angustiante por vaga na Rede Pública de Estimulação Precoce para bebes e crianças com necessidades especiais;
  9. Vergonha e medo de retornar às atividades laborais bem como de ser questionado pelos colegas sobre o que acontecera;
  10. É perceber que tenho um filho mais que “especial”, com necessidades diferentes de outras crianças.
  11. Força e esperança na busca por justiça e reparação de danos junto a Justiça Civil, ao Conselho Regional de Medicina, ao Conselho Regional de Enfermagem e ao Ministério Público Estadual.

E no meu segundo “Dia dos Pais” tenho que fazer uma homenagem ao meu filho:

Fonte da Imagem: Blog Visão de Ilitia (Divulgação autorizada pela família)

“Filho, o seu nascimento mudou minha vida… você hoje é meu professor… seu empenho e conquistas são diários… sua força interior são contagiantes… seu sorriso afasta qualquer tristeza que possuo… sua vida é um milagre em minha vida… o que vivenciamos foi um aprendizado e devemos compartilhar para que outras mães e pais sejam poupados… você é um presente do Papai do Céu para mim (Papai da Terra).”

 

Por fim,

Sou a favor da Humanização do Parto, seja ele Cesárea ou Normal;

Sou a favor do Parto Cesárea, desde que seja tecnicamente indicado;

Sou a favor do Parto Domiciliar, desde que seja tecnicamente indicado e devidamente assistido;

Sou contra as informações tendenciosas, radicais e superficiais que “demonizam” tanto o Parto Cesárea quanto o Parto Normal;

Não confiem cegamente nos médicos, enfermeiras obstétricas, doulas, parteiras e outros, pois ninguém está isento de erros e falhas quando lidam com a vida.

11855387_1037905756233335_224915690_n
Fonte da Imagem: Blog Visão de Ilitia (Divulgação autorizada pela família)

Desejo que outras famílias aprendam por meio da nossa história e não permitam que algo semelhante ocorram com seus bebes.” 


Anúncios

Relato de Parto – Mamãe Giovanna e bebê Ester

Dedico este relato à minha filha querida, que fez surgir em mim uma pessoa mais forte, confiante, segura e feliz. Te amo, feliz aniversário!

No dia 19/03/2013, uma terça-feira, sassariquei um monte. Fui para Suzano conversar com meu chefe. Almocei com o pessoal e fiquei de voltar no dia seguinte, às 14:00, para uma reunião. De lá, segui para Ribeirão Pires, me encontrei com uma amiga e voltei para São Paulo, de trem e metrô mesmo. Em casa, jantei com quatro amigos queridos. Às 23h00, mais ou menos, senti uma coisinha. Umas contrações diferentes das que eu já tinha experimentado. Pensei “huumm” e falei para o Allan que estava rolando algo no ar. Fui dormir e descansei bastante. Quando o Allan se levantou para trabalhar no dia 20/03, comecei a sentir contrações. Eram aproximadamente 7h30. Logo comecei a contar e estavam de 8/8 min. Consegui dormir mais um pouquinho, mas elas continuaram e foram reduzindo o intervalo.

Fiquei lendo sobre formas de aliviar a dor das contrações o dia todo, e tentando fazer.

Almocei arroz, feijão, bife, ovo, banana e batata fritas, o famoso Especial da Casa do Bar do Zé. Queria muita energia para continuar o dia. Em seguida, umas 14h30, falei para o Allan ir dormir, porque imaginava que a noite seria longa. E cadê o tal do tampão? Nem sinal dele! Tomei banho, tentei descansar, arrumei algumas coisas da mala que levaria à casa de parto… Voltei a contar, as contrações estavam de 5/5 min às 16:30. Liguei então pra Casa Angela, e a Camila, parteira muito querida, disse para eu me preparar e ir pra lá COM CALMA pra elas avaliarem. O Allan, com sua calma (lerdeza), foi tomar banho, fazer a barba (!!!)… Aproveitamos e tiramos algumas fotos, como despedida da barriga.

Saímos de casa umas 18h e peguei a Marginal Pinheiros em horário de pico. No caminho, liguei para a minha mãe, avisando que estaria num happy-hour e que talvez não atenderia o telefone. Liguei também para minha querida amiga Nataska, parceira de todas as horas e fotógrafa do parto. O Allan, love of my life, parou ainda pra comprar uma coca no posto. Só tinham cinco pessoas na frente dele na fila, só não o matei porque não conseguia. Quando estávamos quase chegando, com o carro parado no trânsito, eu tirei o cinto e fiquei de quatro, tentando aliviar a dor, mas mal sabia o que me esperava.

Chegamos lá às 19:15, fui recebida pela querida parteira Fran. Ela me avaliou e viu que eu estava com QUATRO cm. Fizeram cardiotoco e viram os batimentos, tudo ok. Líquido claro, o Allan viu os cabelinhos da Ester, que ainda não tinha nome.

Falando com a Nataska. “Vai demorar, te ligo mais tarde!”
Falando com a Nataska. “Vai demorar, te ligo mais tarde!” Fonte

Aí fiquei por lá, curtindo o trabalho de parto. Não fiquei muito na bola, mas usei muito a banheira. Me ofereceram brigadeiro, não quis. Aliás, vomitei todo o almoço e mais um pouco… Não me mexi muito, mas fiquei bem à vontade. As contrações doeram o esperado, ou seja, pra caramba. Eu tentava aliviar a dor na banheira, me mexendo, fazendo uns sons. A Rose também me ajudou muito, fazendo massagens deliciosas!

Mutcho loca na banheira.
Mutcho loca na banheira. Fonte

A Nataska chegou lá pela 1:30, para fazer as fotos. Sabia que ela era a pessoa certa, que teria confiança em mim e me deixaria à vontade. Logo em seguida, a moça que estava na sala ao lado teve que ser transferida para o hospital. A Fran foi me avisar que sairia mas a Dal estava chegando. Quando a Dal chegou, eu pedi para ela ver os batimentos do bebê, porque pensei “como vou saber que ela está bem?”.

Estava tudo ok mesmo, como esperado. Quando era umas 3h30 do dia 21, eu disse que queria no banheiro, aliás, eu achava que queria fazer xixi, mas ele não saía (até pensei na hora que estava com infecção urinária, tolinha). Notem que a minha bolsa não rompeu e o tampão só saiu na banheira. Nem vi.

  "Ai, gente, minhajuda!!!"
“Ai, gente, minhajuda!!!” Fonte

A Fran já tinha voltado do hospital. Enfim a Dal me convenceu a sair da banheira para ir ao banheiro, mais pra dar uma caminhadinha. No vaso eu me encontrei, senti a cabecinha da Ester e não queria mais sair da posição, até que resolveram me chamar pra voltar pra sala de parto. Caminhei de volta para a sala de parto e eu senti que ela estava vindo. A banheira estava com a água fria, demoraria muito para encher, então pedi pra ser no banquinho. Elas aprontaram tudo e lá fui eu curtir a força que o meu corpo estava fazendo. O Allan ficou na cadeira me apoiando por trás. As contrações pararam um pouco, mas foram suficientes. Durante todo o expulsivo, a Fran segurou a minha mão. Muito carinho e apoio! Espero não ter machucado sua mão!

A cabeça da Ester saiu, mas o resto do corpinho não, então a Dal e a Fran fizeram uma manobra (ai!) pra virar o corpinho. Foi apenas nessa hora que eu tive laceração. Às 4h07 da manhã ela nasceu, super bem, com um chorinho sentido, lindo!

“Caramba, você chegou!”
“Caramba, você chegou!” Fonte

Logo veio pro meu colo. Quentinha, gosmenta, cheirosa…

 “Seja bem-vinda!”
“Seja bem-vinda!” Fonte

Uns dois minutos depois, senti a placenta vindo. Ela escorregou bonitona. As meninas perguntaram se eu queria guardá-la, eu disse que não e a ofereci à Nataska. Perguntei também se alguém da nossa turma da faculdade iria querer. Pois é, eu também não sei o que ela ou qualquer outro amigo faria com essa placenta, mas enfim, vai que, né?

 “Prazer, sou a placenta!”
“Prazer, sou a placenta!” Fonte

O Allan cortou o cordão assim que ele parou de pulsar, logo que a placenta saiu.

"Que tesoura enooorme."
“Que tesoura enooorme.” Fonte

Enquanto eu fui pra cama para darem os pontos, ela foi pesada, medida e vestida. 3,570 kg e 47 cm.

"Fortinha, né?"
“Fortinha, né?” Fonte

Logo ela voltou pros meus braços e mamou enquanto a Dal dava os pontos. Decidimos, então, que se nome seria mesmo Ester.

“Cadê meu Tetê??”
“Cadê meu Tetê??” Fonte

Nessa hora, abriu um buraco do tamanho do mundo na minha barriga. O enjoo passou na hora e eu queria comer cinco elefantes. Recebi suco, salada de frutas e canja! Oba! Que comida maravilhosa, a da Casa Angela.

Logo fomos os três para o outro quarto, onde ficamos. A Ester em seu bercinho, ao meu lado, o tempo todo. E do meu lado ela nunca mais saiu, até completar seis meses, quando eu voltei a trabalhar. Finalmente, às 7h30, avisamos nossos pais que a Ester havia chegado e receberíamos visitas a partir das 13h00. Ela acordou umas três vezes, as meninas da Casa Angela me ajudavam a pegá-la e amamentar. Mamou tão bem que tivemos alta com apenas 100g a menos que o peso de nascimento e três dias depois ela já tinha recuperado o peso do nascimento.

Saindo da barriga, o papai já começou a cuidar. Trocou fraldinha com mecônio e deu o segundo banho!

   Com a habilidade de agir sob pressão.
Com a habilidade de agir sob pressão. Fonte

Agradeço a todas que disponibilizaram informação, às que lutam, à Casa Angela, enfim, a todxs que me ajudaram a parir dignamente, com respeito, carinho, tranquilidade e amor. Gratidão à Francielle Matos, que me apresentou a Casa Angela. Agradeço também à minha querida amiga Nataska, que foi uma perfeita fotógrafa de parto. Confiante e discreta.

Meu parto veio com um pacote e eu tenho certeza de que o caminho que temos seguido é o certo para nós. A Esterzinha está aí esbanjando confiança, saúde e alegria. Tenho certeza de que o modelo de assistência da Casa Angela é o melhor a ser seguido. A minha maior alegria era ter confiança plena na equipe, assim eu tinha certeza de que seria bem atendida, com carinho e honestidade. Mesmo que fosse uma cesariana, eu saberia que era realmente necessária.

Agradeço à minha família, especialmente minha mãe, que começou desconfiada e depois de tempestades de informações e uma visita à Casa Angela me apoiou por completo.

Agradeço especialmente ao Allan, que sempre esteve ao meu lado nessa jornada, acreditou em mim e me apoiou em todos os momentos. Hoje em dia ele sabe o que é mecônio, dilatação, episiotomia, colírio de nitrato de prata, doula e outras cositas más. O susto foi grande, mas abraçamos com tudo o pacote família.

Fica aqui meu relato como homenagem às outras mães que também relataram seus partos, sendo eles normais, naturais, humanizados, cesáreas necessárias e desnecessárias. O meu parto é o que eu desejo a todas as mulheres!

Mamãe orgulhosa.
Mamãe orgulhosa. Fonte

São Paulo, 20/03/2014

(Sim, quase um ano depois)

*Este relato foi retirado do blog Partiu Parto com a permissão da Giovanna (autora do relato e criadora do blog), quem se interessar em ler mais relatos de parto é só visitar o site! 😉